CARACTERIZAÇÃO DO TERRITÓRIO - ADERSOUSA-DLBC RURAL

P R O C U R A R
Ir para o conteúdo

Menu principal:

ELD
 


Caracterização do território


 
 
Terras do Sousa é uma denominação medieval, ligada à fundação da nacionalidade, que servia para identificar um território idêntico ao que a ADER-SOUSA elegeu como a sua área de intervenção e que, na atualidade, integra os municípios de Felgueiras, Lousada, Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel.

Trata-se, em termos geográficos, do vale do rio Sousa, que nasce no município mais setentrional, Felgueiras, e cuja bacia hidrográfica se estende de Norte para Sul, incorporando em direção à foz, no rio Douro, os restantes municípios. A altitude média é de 336,5 m, variando entre os 22 e os 582 m, o clima é temperado e o valor médio anual da humidade ronda os 80%, com as quatro estações bem definidas.

É um território homogéneo que se distingue na região pois, apesar da significativa densidade demográfica, apresenta um povoamento altamente disperso com a maioria da população a viver em pequenos aglomerados, o que lhe confere, em grande parte da sua superfície, a particularidade de manter muitas das características de ruralidade, quer do ponto de vista humano e de atividade, quer do ponto de vista patrimonial e paisagístico, patente em “locais de assinalável valor faunístico e botânico” (in Terras do Sousa | Natureza Rural, 2008); tal especificidade valeu-lhe ser sempre selecionado como zona de intervenção para as IC LEADER e para o SP3-PRODER, não obstante a sua dimensão populacional, conquanto uma das mais jovens do país.

A coesão territorial reflete-se na quantidade de projetos comuns supramunicipais implementados, dos quais se destacam: na área do turismo-património-cultura, a ROTA DO ROMÂNICO, com uma singular afirmação no contexto nacional e internacional; na área do ambiente será de evidenciar o êxito da AMBISOUSA, a empresa intermunicipal que gere o sistema de tratamento de resíduos sólidos desta sub-região; o VALE DO SOUSA DIGITAL colocou as novas tecnologias na linha da frente; e, no que toca ao desenvolvimento de proximidade, a própria ADER-SOUSA.
É de referir que dos cinco municípios, quatro pertencem à CIM Tâmega e Sousa e Paredes passou a pertencer em 2014 à Área Metropolitana do Porto (AMP), não obstante a sua inegável similaridade com os restantes, razão pela qual se mantém naqueles projetos comuns.

O território tem boas acessibilidades, pois é atravessado no sentido W/E pela A4, que liga a AMP, por Paredes e Penafiel, a Trás-os-Montes, e pela A41/42, que liga a AMP a Felgueiras, por Lousada e Paços de Ferreira; sendo também atravessado de Norte para Sul pela A11, a qual liga o Minho à A4, passando por Felgueiras e Lousada.

Em termos populacionais, é relevante o peso dos jovens que representam 31,7% da população, valor superior às médias nacional (25,5%), da RN (26,6%) e da NUT III (30,6%). A distribuição por género é equilibrada, 50,9% (M) e 49,1% (H). Quanto ao grau de instrução, em 2011, 30,6% possuía o 1.º ciclo do EB, 19,5% o 2º, 15,9% o 3º e 20,3% não detinha qualquer nível. Apenas 8,7% da população possuía o ES completo e 4,6% o ensino superior. A taxa de analfabetismo era de 5,2%. Uma situação claramente inferior à da NUT II.

Em termos económicos, continua a predominar o setor secundário, sendo que as principais atividades são as referentes às indústrias transformadoras (calçado, mobiliário e têxtil) e extrativas (pedra), não obstante a diminuição de ativos durante a última década, facto que igualmente se verificou no setor primário, em contraponto com o terciário. No mesmo período, a taxa de desemprego aumentou de 3,9 para 13%.



 
 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal